PT | EN

SOMOS O QUE A MEMÓRIA DEIXA (we are what memories allow) CHEGUEI (I've arrived) VENTOS CRUZADOS (crossed winds) A CRIANÇA QUE FUI (the child I was) IMPROVISO (improvisation)
TEORIA DOS COMETAS (theory of comets) RETRATO EM BRANCO E PRETO (white and black portrait) JOÃO E MARIA (João and Maria) VIVÊNCIAS (Life experiences) PROMO - BOOKING (in concert)
PARA SASSETTI (To Sassetti)
SOMOS O QUE A MEMÓRIA DEIXA (we are what memories allow)
 SOMOS O QUE A MEMÓRIA DEIXA Letra e Música: Rogério Godinho Somos feitos de memórias, De gestos mais ou menos repetidos, De cheiros intensamente vividos, De sensações e momentos perdidos Agimos como sempre agimos, Levados pela memória Pelos hábitos, pela história Que nos limita ao que sempre fomos O que num dia sou No seguinte, já passou O que foi bom... voou Mas, se é mágoa, ficou Mágoas sobre mágoas, Num mar cujas águas Percorrem as veias da vida Ameaçando alguns canais tapar Para não mais aí se navegar, Qual criança que o lume evita Após, pela primeira vez, se queimar.  WE ARE WHAT MEMORIES ALLOW Lyrics and Music : Rogério Godinho We are made of memories, Of gestures sometimes, Of smells intensely lived, Of sensations and moments lost We act as we always do, Driven by the memory Of habits, of history That hold us to what we were What I am one day The next day has gone What was good .... flew away But what hurts, stayed Sorrows on sorrows, In a sea whose waters Run through the veins of life Threatening to close some channels To navigate no more, Like a child who avoids the fire After burning his hands.
CHEGUEI (I've arrived)
 CHEGUEI Letra e Música: Rogério Godinho Linda luz no céu, Terra tons de bom, Gente cor de amor, Quero ser seu amigo! Rio de Janeiro, Já inspiro essa inspiração! Rio de Janeiro, Chico, Ivan e Tom seu coração. Pois eu cheguei a cantar, Pois eu cheguei p’ra ficar, O mundo é meu... Lindo demais... É pr’a viver!!! Rio de Janeiro, Já inspiro essa inspiração! Rio de Janeiro, Chico, Ivan e Tom seu coração. Pois eu cheguei a cantar, Pois eu cheguei pr’a ficar, O mundo é meu... Lindo demais... É p’ra viver!!!  I'VE ARRIVED Lyrics and Music : Rogério Godinho Beautiful bright sky, Land of kind hues Love-coloured people I want to be your friend! Rio de Janeiro, I’m already inspiring this inspiration! Rio de Janeiro, Chico, Ivan and Tom your heart. I’ve arrived singing I’m here to stay The world is mine... So beautiful... It’s to be lived!! Rio de Janeiro, I’m already inspiring this inspiration! Rio de Janeiro, Chico, Ivan and Tom your heart. I’ve arrived singing I’m here to stay The world is mine... So beautiful... It’s to be lived!!
VENTOS CRUZADOS (crossed winds)
 VENTOS CRUZADOS Letra e Música: Rogério Godinho Luz, enfim, no mar Aquela luz que o teu olhar Um dia despertou em mim A arte de amar. Ventos e tensão Os pés p’ró céu, Rosto no chão, Ventos cruzados abanaram Mas não me derrubaram E isso tudo agora Já passou, o barco já navega, O mar embala a paz, Convida a avançar, Tal qual as ondas do teu corpo ao prazer! É tempo de seguir A luz do sol, a luz de ti! Nem sei quem és, Mas sei que vou lutar por ti! Oiço a tua voz E sinto o teu olhar chamar por mim! Teu canto de sereia ouvi, Vou aqui, Rumo a ti! És quem eu desejo!  CROSSED WINDS Lyrics and Music : Rogério Godinho Light at last, at sea That light that someday Your look dawned on me the art of loving Winds and tension Feet towards the sky Face on the floor Crosswinds shook But didn’t knock me down, And now everything has passed The boat is already sailing, The sea cradles the peace, Calls me forward Just like the waves of your body to pleasure It’s time to follow The sunlight, the light of you! I do not know who you are But I know I’ll fight for you I hear your voice And I feel your look calling me! I’ve heard your mermaid’s song, Here I go! To you! It’s you I desire!
A CRIANÇA QUE FUI (the child I was)
 A CRIANÇA QUE FUI Letra: Fernando Pessoa Música: Rogério Godinho A criança que fui chora na estrada. Deixei-a ali quando vim ser quem sou; Mas hoje, vendo o que sou é nada, Quero ir buscar quem fui onde ficou. Ah, como hei-de encontrá-lo? Quem errou A vinda tem a regressão errada. Já não sei de onde vim nem onde estou. De o não saber, minha alma está parada. Se ao menos atingir neste lugar Um alto monte de onde possa enfim O que esqueci, olhando-o, relembrar, Na ausência, ao menos, saberei de mim, E, ao ver-me tal qual fui ao longe, achar Em mim um pouco de quando era assim.  THE CHILD I WAS Lyrics: Fernando Pessoa Music: Rogério Godinho The child I was cries on the road. I left him there when I became who I am; But today, seeing that what I am is nothing I want to fetch who I was where he stayed. Oh, how shall I find him? Who failed The retrurn has the wrong regression. I do not know where I came from Or where I am. From not knowing it, my soul is stopped. If at least I could reach in this place A high mountain from where at last I could, by seeing him, finally remember what I forgot, In its absence, at least I’ll know of myself, And, seeing me just as I was from afar, find In me a little of when I was that way.
IMPROVISO (improvising)
 Pudera eu ser quem não sou E seria tudo o queria ser .. e não fui, Teria o que nunca tive, Faria o que nunca fiz, Iria para onde nunca fui. Rogério Godinho  If I had been able to be who I am not I would be all I wanted to be .. and I was not , I would have what I've never had, I would do what I never did, I would go where I never went . Rogério Godinho
 RETRATO EM BRANCO E PRETO Letra e música: Tom Jobim, Chico Buarque Já conheço os passos dessa estrada Sei que não vai dar em nada Seus segredos sei de cor Já conheço as pedras do caminho, E sei também que ali sozinho, Eu vou ficar tanto pior E o que é que eu posso contra o encanto, Desse amor que eu nego tanto Evito tanto e que, no entanto, Volta sempre a enfeitiçar Com seus mesmos tristes, velhos factos, Que num álbum de retratos Eu teimo em colecionar Lá vou eu de novo como um tolo, Procurar o desconsolo, Que cansei de conhecer Novos dias tristes, noites claras, Versos, cartas, minha cara Ainda volto a lhe escrever Pra lhe dizer que isso é pecado, Eu trago o peito tão marcado De lembranças do passado e você sabe a razão Vou colecionar mais um soneto, Outro retrato em branco e preto A maltratar meu coração  WHITE AND BLACK PORTRAIT Lyrics and Music : Tom Jobim, Chico Buarque I already know this road I know it will come to nothing I know its secrets by heart I already know the stones on the path, And I also know that there, alone, I’ll be much worse off And what can I do against the spell Of this love that I so much deny So avoid, but that Always again bewitches With its same sad old facts, Which I insist on collecting In a portrait album There I go again like a fool, Searching for the hopelessness which I’m so weary of New sad days, clear nights, Verses, letters, my dear Someday I’ll write to you again To tell you that this is sin, My breast comes so marked By memories of the past And you know the reason why. I’ll collect one more sonnet, Another portrait in white and black To mistreat my heart. RETRATO EM BRANCO E PRETO (white and black portrait)
 JOÃO E MARIA Letra: Chico Buarque Música: Sivuca Agora eu era o herói E o meu cavalo só falava inglês A noiva do cowboy Era você além das outras três Eu enfrentava os batalhões Os alemães e seus canhões Guardava o meu bodoque E ensaiava o rock para as matinês Agora eu era o rei Era o bedel e era também juiz E pela minha lei A gente era obrigado a ser feliz E você era a princesa que eu fiz coroar E era tão linda de se admirar Que andava nua pelo meu país Não, não fuja não! Finja que agora eu era o seu brinquedo Eu era o seu pião O seu bicho preferido Vem, me dê a mão A gente agora já não tinha medo No tempo da maldade Acho que a gente nem tinha nascido Agora era fatal Que o faz-de-conta terminasse assim P’ra lá deste quintal Era uma noite que não tem mais fim Pois você sumiu no mundo sem me avisar E agora eu era um louco a perguntar O que é que a vida vai fazer de mim?  JOÃO AND MARIA Lyrics : Chico Buarque Music: Sivuca What if... I was the hero And my horse only spoke English The cowboy’s bride Was you, and the other three I faced the battalions The Germans and their guns I kept my crossbow And I was rehearsing Rock for the matinees What if... I was the king the beadle and the judge And by my law We had to be happy And you were the princess I wanted to crown And you were so lovely to behold You always walked naked in my lands No, do not flee! Pretend that I was your toy I was your spinning-top Your favorite pet Come, give me your hand Let’s pretend we have no fear, In the times of wickedness I don’t even think we were born And so... It was inevitable That the fairytale would end this way Beyond this backyard It was an endless night As you disappeared into the world without any warning And... I was a fool asking What’s life going to do with me JOÃO E MARIA (João e Maria)
VIVÊNCIAS (Life Experiences)
 10. VIVÊNCIAS Letra e Música: Rogério Godinho Foram anos, foram mares P’ra testar se sou capaz De viver paixões e de arriscar. Tudo o que deixei p’ra trás, Tudo o que larguei lá atrás, Não são mais que medos e prisões. Um mundo se abriu, Pleno de fervor! Peito aberto às balas do amor. Um Brasil cheio de emoção, De Ipanema ao Redentor, E o mar que foi bem mais que o meu amor... Bossa e Samba pelo ar! Carnaval do meu vibrar! Um sentir português que o Fado moldou... Foi então que percebi, Nada mais fazia aqui, O vazio voltou e então porquê eu insistir? É tristeza, foi saudade, e a certeza de saber... Não importa onde esteja, Que cidade se deseja, Vou então pensar no que fazer... Vou regressar. Adeus... Adeus...  LIFE EXPERIENCES Music and Lyrics : Rogério Godinho It was years It was oceans To test my ability To live with passion and to take risks Everything I left behind Everything I dropped behind Was nothing but fears and chains. The world opened up Full of fervor! Chest open to the arrows of love A Brazil full of emotion, From Ipanema to the “Christ Redeemer”, And the sea that was even more than my lover ... Bossa and Samba in the air! Carnival rhythms shaking me! A portuguese soul moulded by Fado... And so then I saw I was doing nothing here anymore, The emptiness was back, so why should I insist? Now it is sadness, then it was nostalgia (‘saudade’), And the certainty of knowing... Doesn’t matter where you are, Or which city you desire, So now I will wonder what to do ... I’m going back to Lisbon... Goodbye ... Goodbye .

ALL RIGHTS RESERVED © 2016